segunda-feira, 6 de setembro de 2021

 

EM ARTIGO NA FOLHA, ORGANIZAÇÕES DO PACTO PELA VIDA E PELO BRASIL DEFENDEM QUE A APROPRIAÇÃO DO DIA DA PÁTRIA POR OBSTINADOS EM SEMEAR DIVISÕES MERECE REPÚDIO



Nação, essa teia que nos une

7 de setembro de 2021. Momento crucial para refletir sobre o fortalecimento da democracia, em prol de uma sociedade livre, justa e solidária.

 

Lançando um olhar sobre o Brasil, vemos a data nacional envolvida em ataques extremistas às instituições e rumores de ruptura da ordem. Num plano mais abrangente, poderíamos perguntar o que há para ser celebrado com quase 600 mil mortos pelo coronavírus, 15 milhões de desempregados, 19 milhões de brasileiros passando fome, 5 milhões de crianças fora da escola, recordes de desmatamento e aumento acentuado da desigualdade. Diante de tantas tristes marcas, cabe indagar: como defender e levar adiante este projeto que é de todos, chamado nação?

 

Há dois séculos juntaram-se as condições objetivas e subjetivas para que o Brasil assumisse o seu destino, supostamente sob o brado de “independência ou morte”. Mas foi a disposição coletiva, mais do que o grito solitário do monarca, que nos impulsionou a seguir adiante, consolidando a independência e inaugurando um projeto nacional.

 

A nação, como conceito, tem a ver com essa teia de afinidades —históricas, culturais, linguísticas e sociais— que só ganha sentido se compreendida como a união generosa e inclusiva entre pessoas, tomadas como sujeitos plenos de direitos e tratadas com igual respeito e consideração. E é justamente o que nos impulsiona a seguir juntos, do jeito que somos, de onde viemos, para onde queremos ir, no sentimento de pertencer a algo que é base da identidade nacional.

 

Hoje, a apropriação da nossa data cívica por indivíduos obstinados em semear divisões entre os brasileiros, disseminando o ódio e a intranquilidade para dar passagem a um projeto político de viés personalista, declaradamente autoritário, deve ser repudiada por toda a sociedade. Porque essa apropriação não cabe, e jamais caberá, no projeto de nação que está inscrito na Constituição, tecido por mulheres e homens de todas as raças e todas as crenças, geração após geração. A nação, aos seus, pertence.

 

Sabemos que governos vêm e passam. Governantes podem entrar para a história pela porta da frente, como servidores do seu povo, ou sair pela porta dos fundos, como demolidores do futuro. Mas, a nação, essa deverá se manter como um projeto coletivo, visando o bem comum. Por isso, em nome das nossas entidades, conclamamos os brasileiros a fortalecer a teia de afinidades que nos irmana e, ao mesmo tempo, nos distingue no mundo. Que isso seja feito através do diálogo construtivo, na garantia plena dos direitos humanos, no respeito à diversidade, no acolhimento aos mais vulneráveis, na preservação do meio ambiente, que é nosso patrimônio comum, e no compromisso com os valores civilizatórios, sempre em defesa da dignidade humana.

 

As vozes que saem a pregar a discórdia, muitas vezes enganadas ou insufladas por indivíduos guiados apenas pela ambição de poder, tentarão fomentar o caos para justamente esgarçar a teia tão rica que nos une. Que a consciência moral da sociedade prevaleça, mostrando-lhes que uma nação livre e soberana é fruto da convivência humana em clima de paz, respeito e harmonia. Esse é, e sempre será, o verdadeiro brado da brava gente brasileira.

 

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

 

Felipe Santa Cruz

Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)

 

José Carlos Dias

Presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns

 

Luiz Davidovich

Presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC)

 

Paulo Jeronimo de Sousa

Fonte:CNBB


segunda-feira, 16 de agosto de 2021

 Solenidade da Assunção: A Virgem Maria morreu? Padre Fortea responde



No marco da celebração da Solenidade da Assunção, muitos fiéis se perguntam se Santa Maria faleceu ou não antes de ser levada ao céu. O famoso teólogo espanhol José Antonio Fortea responde a esta inquietude.

 

Em sua constituição apostólica ‘Munificentissimus Deus’, o papa Pio XII definiu ‘ex cathedra’ o dogma da Assunção de Santa Maria.

 

Nesse documento, o papa disse que "a Imaculada Mãe de Deus, a sempre Virgem Maria, terminado o curso da vida terrestre, foi assunta em corpo e alma à glória celestial".

 

"Se alguém, o que Deus não permita, ousar, voluntariamente, negar ou pôr em dúvida esta nossa definição, saiba que naufraga na fé divina e católica", acrescentou.

 

Entretanto, o documento pontifício não especifica se Santa Maria morreu.

 

Em declarações ao Grupo ACI, padre Fortea explicou que a ambiguidade na constituição apostólica "não foi coincidência, foi expressamente desejada".

 

O dogma da fé, sublinhou, "é somente a Assunção".

 

O sacerdote espanhol, doutor em Teologia, recordou que na história da Igreja "havia fundamentalmente duas tradições" sobre os últimos dias de Santa Maria na terra.

 

Por um lado, disse, os cristãos orientais "falavam da dormição da Virgem Maria. No Ocidente, não havia tanto essa tradição no princípio. Algumas pessoas afirmavam que ela havia dormido. Outros não, diziam que ela havia morrido".

 

"Como não havia unanimidade nesse tema e o que os dogmas expressam é a fé", disse, no final, "optaram por deixá-lo de maneira ambígua".

 

"A Igreja não se opôs às pessoas que disseram uma coisa nem às que disseram outra, sem chegar nunca a esclarecer o tema", sublinhou.

 

O papa Pio XII, diante da disputa teológica, "optou por usar um termo ambíguo".

 

Etiquetas: Assunção, Assunção da Virgem Maria, dogmas, Padre Antonio Fortea, Pe. Fortea, Solenidade da Assunção de Maria, Virgem Maria

fonte: acidigital

terça-feira, 13 de julho de 2021

“PANDEMIA AGRAVA A FOME NO MUNDO” ALERTA O RELATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DAS NAÇÕES UNIDAS


 Cerca de um décimo da população mundial sofre de desnutrição, ou seja, quase 811 milhões de pessoa. É o que revela o relatório “Situação da segurança alimentar e da nutrição no mundo” elaborado pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Programa Mundial de Alimentos (PMA) e Organização Mundial da Saúde (OMS), e divulgado nesta segunda-feira, 12. O agravamento dramático da situação da fome em 2020 está diretamente relacionado às consequências da pandemia de Covid-19.

Mesmo que ainda não se tenha um mapa detalhado do impacto da pandemia, o relatório representa a primeira avaliação global desse tipo na era da pandemia, e revela, entre outros, que o continente africano registra o maior aumento de famintos e desnutridos, enquanto o mundo de forma geral passa por uma fase crítica e deve agir agora para reverter essa tendência até 2030. Além disso, mais de 2,3 bilhões de pessoas – o equivalente a 30% da população mundial – não teve acesso contínuo a recursos alimentares adequados durante o ano.

Para agravar a situação, em 2020 havia mais de 149 milhões de crianças menores de cinco anos com atraso no crescimento (muito baixas para a idade), mais de 45 milhões de crianças debilitadas (muito magras para a altura) e cerca de 39 milhões com excesso de peso. Três bilhões de adultos e crianças não conseguiram ter acesso a uma dieta saudável.

As edições anteriores já haviam dado o sinal de alerta, sinalizando que a segurança alimentar de milhões de pessoas, incluindo muitas crianças, estava em risco. “Infelizmente, a pandemia continua a trazer à tona as deficiências de nossos sistemas alimentares, carências que ameaçam a vida e a subsistência de muitas pessoas em todo o mundo”, escrevem os responsáveis pelas cinco agências da ONU no prefácio do relatório.

Eles também advertem que estamos em uma “fase crítica”, mas colocamos novas esperanças em um renovado impulso diplomático. “Este ano temos uma oportunidade sem precedentes de realizar progressos na segurança alimentar e nutricional por meio da transformação dos sistemas alimentares, graças à Cúpula das Nações Unidas sobre Sistemas Alimentares, à Cúpula Nutrição para o Crescimento e à COP26 sobre mudanças climáticas”, que será realizada em breve. “O resultado desses eventos”, acrescentam, “continuará a moldar a segunda metade da Década de Ação das Nações Unidas sobre a Nutrição, um compromisso político global que ainda não atingiu sua velocidade de cruzeiro.

Os dados

 

Já em meados da década de 2010, a fome havia começado a aumentar, destruindo as esperanças de um declínio irreversível. A levantar preocupação foi, em 2020, o seu aumento repentino em termos absolutos e proporcionais, que superou o crescimento populacional: segundo estimativas, os subnutridos representavam cerca de 9,9% da população mundial no ano passado, contra 8,4% em 2019.

Mais da metade de todas as pessoas subnutridas (418 milhões) vivem na Ásia, mais de um terço (282 milhões) vivem na África e uma parcela menor (60 milhões) na América Latina e no Caribe. No entanto, a fome aumentou especialmente na África, onde a prevalência da desnutrição é estimada em mais de duas vezes a de qualquer outra região (21% da população).

2020 também foi um ano negativo no que tange a outros parâmetros. Mais de 2,3 bilhões de pessoas (o equivalente a 30% da população mundial) não tiveram acesso contínuo durante o ano a recursos alimentares adequados. Tal indicador, conhecido como “prevalência de insegurança alimentar moderada ou grave”, cresceu em apenas um ano tanto quanto nos cinco anos anteriores, considerados na sua totalidade. A desigualdade de gênero se acentuou: em 2020, a insegurança alimentar afetou 11 mulheres para cada 10 homens (um aumento em comparação com 10,6 em 2019).

A desnutrição em todas as suas formas não foi erradicada. Foram principalmente as crianças que pagaram por isso: de acordo com as estimativas, em 2020 havia mais de 149 milhões de crianças menores de cinco anos com atraso no crescimento (muito baixas em comparação com a idade, mais de 45 milhões de crianças debilitadas (muito magras para a altura) e cerca de 39 milhões com excesso de peso.

Até três bilhões de adultos e crianças não puderam ter acesso a uma dieta saudável, em grande parte devido aos custos excessivos. Cerca de um terço das mulheres em idade reprodutiva sofre de anemia. No total, apesar dos progressos realizados em alguns âmbitos (por exemplo, aumentou o número de recém-nascidos amamentados exclusivamente no peito), o mundo não está acompanhando o ritmo necessário para cumprir as metas estabelecidas para os diversos indicadores nutricionais até 2030.

Outras causas da fome e desnutrição

 

Em muitas regiões do mundo, a pandemia causou recessões devastadoras e prejudicou o acesso aos alimentos. No entanto, antes mesmo da pandemia, a fome já estava em aumento e se registravam poucos progressos no combate à desnutrição, especialmente em países em meio a conflitos, eventos climáticos extremos ou outras dificuldades econômicas, ou em meio a profundas desigualdades. O relatório inclui todos esses fatores entre as principais causas da insegurança alimentar, que interagem entre si.

Quanto às tendências atuais, o Estado da Segurança Alimentar e Nutricional no Mundo calcula que o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 2 (Fome Zero até 2030) não será alcançado por uma diferença de quase 660 milhões de pessoas; para cerca de 30 milhões delas, o motivo poderia estar ligado aos efeitos duradouros da pandemia.

O que ainda é possível fazer

Conforme descrito no relatório do ano passado, transformar os sistemas alimentares é essencial para alcançar a segurança alimentar, melhorar a nutrição e tornar uma dieta saudável acessível para todos. A edição deste ano dá um passo em frente ao delinear seis “caminhos de transformação” que, segundo os autores, baseiam-se em um “conjunto coerente de políticas e investimentos” para combater as causas da fome e da desnutrição.

Segundo o específico fator causal (ou da combinação específica de fatores causais) que cada país enfrenta, o relatório insta os formuladores de políticas a:

– Integrar políticas humanitárias, de desenvolvimento e de construção da paz em zonas de conflito, por exemplo, por meio de medidas de proteção social destinadas a evitar que as famílias sejam forçadas a vender seus poucos bens em troca de alimentos;

· Fortalecer a resiliência às mudanças climáticas nos sistemas alimentares, por exemplo, oferecendo aos pequenos agricultores amplo acesso a apólices de seguro contra riscos climáticos e financiamento baseado em previsões;

· Fortalecer a resiliência das pessoas mais vulneráveis ​​nas conjunturas econômicas adversas, por exemplo, por meio de programas de apoio em dinheiro ou em espécie com o objetivo de mitigar o impacto de choques como pandemias ou a volatilidade dos preços dos alimentos;

· Intervir ao longo das cadeias de abastecimento para reduzir o custo dos alimentos nutritivos, por exemplo, incentivando o cultivo de variedades bio-fortificadas ou facilitando o acesso dos produtores de frutas e vegetais aos mercados;

· Combater a pobreza e as desigualdades estruturais, por exemplo, relançando as cadeias de valor de alimentos em comunidades pobres por meio de transferências de tecnologia e programas de certificação;

Fortalecer “ambientes alimentares” e mudar o comportamento dos consumidores, por exemplo, eliminando ácidos graxos trans de origem industrial e reduzindo o teor de sal e açúcar na dieta, ou protegendo crianças e jovens do impacto negativo do marketing dos produtos alimentares.

Os autores do relatório também fazem votos de um “contexto propício de instituições e mecanismos de governança” que tornem possível a transformação. Eles exortam os responsáveis das políticas para realizarem amplas consultas, promoverem o empoderamento das mulheres e jovens e aumentarem a disponibilidade de dados e novas tecnologias. Mas, acima de tudo, alertam os autores, o mundo deve agir agora; caso contrário, as causas da fome e da desnutrição se repetirão com intensidade crescente nos próximos anos, mesmo muito depois de termos superado a crise da pandemia.

Com informações e foto: VaticanNews

sexta-feira, 14 de maio de 2021

segunda-feira, 20 de julho de 2020

Solicitam dispensa dos 5 anos para início do processo de beatificação de Dom Henrique

Pouco após o falecimento de Dom Henrique Soares da Costa, vítima de Covid-19, milhares de pessoas pediram que a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) solicite ao Vaticano a dispensa dos 5 anos para o início do processo de beatificação do Prelado.
O Bispo de Palmares (PE) morreu no último sábado, 18 de julho, e seu falecimento gerou grande comoção entre os fiéis que acompanhavam seu apostolado, sobretudo na internet. Diversas foram as mensagens de pesar, bem como de solidariedade aos familiares e à Diocese do Prelado.
Entre as iniciativas que surgiram logo após a divulgação da notícia de que Dom Henrique havia falecido está a petição lançada na plataforma CitizenGo com a “solicitação de dispensa para abertura do processo de beatificação de Dom Henrique Soares da Costa”.
“A Santa Igreja Católica no Brasil perdeu um dos maiores nomes do seu episcopado recente, Dom Henrique Soares da Costa. Vítima de COVID19 faleceu em odor de santidade! Os católicos de todos os rincões do Brasil e até mesmo do exterior ao saber de sua morte exclamam como na perda de São João Paulo II: Santo Subito!”, afirma o texto da petição, que já conta com cerca de 41.560 assinaturas.
Nesse sentido, indica, “solicitamos ao Regional Nordeste II da CNBB e do Conselho Permanente desta instituição que solicitem ao Santo Padre, o Papa Francisco, a dispensa dos 05 anos para apresentação do libelo de demanda (supplex libellus) isto é, a petição escrita, com a qual pede o início da causa de beatificação”.
“Nós, Igreja do Brasil, suplicamos aos nossos pastores que olhem para a súplica dos fiéis e que solicitem ao Vigário de Cristo a abertura do processo de beatificação, e que Dom Henrique do Céu e honrado em nossos altares seja o grande intercessor diante de Deus por todos os acometidos por este vírus e por todos aqueles que amam a Igreja de Cristo”, completa.
Pai e Pastor
Dom Henrique Soares da Costa tinha 57 anos, é natural de Penedo (AL) e foi ordenado sacerdote para a Arquidiocese de Maceió em 15 de agosto de 1992. Em 2009, foi nomeado pelo Papa Bento XVI como Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Aracaju (SE) e, em 2014, o Papa Francisco o nomeou Bispo da Diocese de Palmares (PE).
“Nestes seis anos conduzindo o Povo de Deus da Diocese de Palmares, Dom Henrique sempre esteve junto ao seu clero sendo como ele mesmo afirmava: ‘Pai e Pastor’”, afirma nota da Diocese de Palmares.
O Prelado desenvolvia um apostolado por meio da internet, com reflexões, meditações, formação, alcançando milhares de pessoas em todo o Brasil e no mundo.
Durante homilia no último domingo, ao recordar o Prelado, de quem era amigo, Pe. Paulo Ricardo assinalou como o falecimento de Dom Henrique comoveu muitas pessoas, citando uma frase que foi dita por um sacerdote que não conheceu o Bispo pessoalmente, o qual afirmou: “Eu me sinto órfão, arrancaram-me um pai”.
“Ao dizer isso, penso que estou dizendo o sentimento de muitos no Brasil, porque Dom Henrique tinha um frutuoso, fecundo apostolado na internet. Ele tinha essa vocação também de escritor”, assinalou o sacerdote.
Para assinar a solicitação de dispensa para abertura do processo de beatificação de Dom Henrique Soares da Costa, acesse AQUI.
Fonte:Acidigital