Transmissão da Santa Missa da Juventude - Todos os Sábados 19:30

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Festa de Nossa Senhora da Conceição, Padroeira de Campina Grande, começa nesta terça


A Festa de Nossa Senhora da Conceição, Padroeira de Campina Grande, será aberta nesta terça-feira (29), na Catedral Diocesana da cidade, localizada na Avenida Floriano Peixoto, no centro. A festa prosseguirá até o próximo dia 08 de dezembro, quando os fiéis celebrarão a Imaculada Conceição de Maria com a tradicional Procissão, saindo da Catedral em direção ao Parque do Povo, onde ocorrerá a Missa da Padroeira.

Este ano a Catedral também promove mais uma edição do Projeto Solidariedade e Partilha, com a Campanha do Alimento. Pelo projeto, até o dia 15 de dezembro a Catedral receberá doações de alimentos não perecíveis, roupas e brinquedos, que farão o Natal de famílias carentes de Campina Grande bem mais feliz.

Outro destaque da programação é a realização, no dia 03 de dezembro, de uma Ação Social na Catedral, para atender pessoas carentes da comunidade, com atividades como corte de cabelo, maquiagem, assessoria jurídica, dentre outras. Já no dia 06 de dezembro ocorrerá a apresentação das crianças assistidas pelo Projeto Tamanquinho das Artes.

Pela programação, a cada noite um padre convidado pela paróquia fará o novenário e missa. E, após a celebração, haverá uma apresentação cultural, com artistas convidados pela paróquia, no pátio da Catedral, onde será montada uma estrutura com palco e barracas. Veja a Programação Oficial completa:

Catedral Diocesana de Campina Grande
Festa da Padroeira Nossa Senhora da Conceição 2016
29 de novembro a 8 de dezembro
Tema: Livre do pecado, Maria nos inspira a caridade

PROGRAMAÇÃO RELIGIOSA

Terça – 29/11

Abertura

19h – Solenidade de abertura da Festa

Acolhida da imagem de Nossa Senhora da Conceição
Celebrante – Pe. Luciano Guedes

Homenageados: Pastorais, Serviços, Encontros e Movimentos da Catedral

Quarta – 30/11

11h30 – Ofício de Nossa Senhora e Missa

19h – Novena e Missa

Celebrante: Pe. Márcio Henrique M. Fernandes 

Homenageados: Colégios 

Quinta – 01/12

11h30 – Oficio de Nossa Senhora e Missa

19h – Novena e Missa

Celebrante: Pe. José Alexandre Moreira

Homenageado: Terço dos Homens

Sexta – 02/12

9º Aniversário de Dedicação da Catedral

11h30 – Oficio de Nossa Senhora e Missa

19h – Novena e Missa

Celebrante: Pe. Raniery Alves

Homenageados: Renovação Carismática Católica

Sábado – 3/12

8h – Oficio de Nossa Senhora

19h – Novena e Missa

Celebrante: Pe. Shérmishon Phérikllys

Homenageados: EJC 

Domingo – 04/12

19h – Novena e Missa

Celebrante: Pe. Romualdo Vieira de Lima

Homenageados: ECC

Segunda – 05/12

11h30 – Oficio de Nossa Senhora e Missa

19h – Novena e Missa

Celebrante: Pe. José Vanildo de Medeiros

Homenageados: Legião de Maria, Equipes de Nossa Senhora e Mãe Rainha

Terça – 06/12 

11h30 – Oficio de Nossa Senhora e Missa

19h – Novena e Missa

Celebrante: Pe. Van Victor Carvalho de Sousa

Homenageados: Novas Comunidades, Seminário Diocesano e Congregações Religiosas

Quarta – 07/12

11h30 – Oficio de Nossa Senhora e Missa

19h – Novena e Missa

Celebrante: Pe. Rogério Epifânio Roque

Homenageados: Apostolado da Oração

Quinta – 8/12

Solenidade da Imaculada Conceição

7h – Missa da Alvorada

Consagração à Santíssima Virgem Maria

Celebrante: Pe. Luciano Guedes

10h – Missa Solene

Celebrante: Dom Manoel Pedreira da Cruz, OFMCap – Bispo Diocesano

16h – Procissão

17h – Missa de Encerramento – Parque do Povo

Celebrante: Dom Manoel Pedreira da Cruz, OFMCap – Bispo Diocesano 

PROGRAMAÇÃO CULTURAL - DESTAQUES

AÇÃO SOCIAL – 3/12

Coordenação: Setor da Caridade da Catedral
8 às 12h – Praça da Catedral
Apresentação do Grupo de Teatro João Paulo II, orientações jurídicas pela Pastoral de Acesso à Justiça, aferição de pressão, teste de glicemia, corte de cabelos, trato de unhas, sobrancelhas, maquiagem e, arrecadação de alimentos não perecíveis para ajudar o Natal das pessoas mais carentes de Campina Grande. 

“PROJETO TAMANQUINHOS DAS ARTES” 

Apresentação: 6/12 às 21h – Catedral

CAMPANHA DO ALIMENTO 2016

Dai-lhes vós mesmos de comer” 
19 de novembro a 15 de dezembro (as doações estão sendo trazidas durante a semana nas celebrações de 12 e 17h30, sábado às 19h30, domingo 10, 17h e 19h30. Na secretaria da Catedral: de terça à sexta no horário de expediente.

Na Praça da Catedral música ao vivo e barracas – 21h 

29/11 – Luan Estilizado 
30/11 – Alexandre Tan 
01/12 – Érica Marques e Banda
02/12 – Sussa de Monteiro 
03/12 – Anjos Dourados 
04/12 – Eloisa Olinto e Banda
05/12 – Capilé 
06/12 – Jeito Nordestino
07/12 – Janine e Banda 

Pascom – Catedral

Informações:
Professora Áurea Ramos Araújo: (83) 98857-5600,
Coordenadora da Pastoral da Comunicação – Pascom da Catedral
Telefone da Catedral: (83) 3321-3140
catedralcg.org.br

domingo, 27 de novembro de 2016

Hoje é celebrada Nossa Senhora das Graças, a Virgem da Medalha Milagrosa

“Fazei cunhar uma medalha conforme este modelo. Todos os que a usarem, trazendo-a ao pescoço, receberão grandes graças. Estas serão abundantes para aqueles que a usarem com confiança”, disse Nossa Senhora a Santa Catarina Labouré, no dia 27 de novembro de 1830.
Foi neste ano de 1830 que a Virgem Maria apareceu para a Irmã Catarina Labouré, da Congregação das Filhas da Caridade, primeiramente na noite de 18 de junho. Um anjo despertou a religiosa e a conduziu até a capela, onde encontrou a Mãe de Deus e conversou com ela por mais de duas horas, ao final da qual Maria lhe disse: “Voltarei, minha filha, porque tenho uma missão para te confiar”.
No dia 27 de novembro do mesmo ano, a Santíssima Virgem voltou a aparecer para Catarina. A Mãe de Deus estava com uma veste branca e manto azul. Conforme relatou a religiosa, era de uma “beleza indizível”. Os pés estavam sobre um globo branco e esmagavam uma serpente.
Suas mãos, à altura do coração, seguravam um pequeno globo de ouro, coroado com uma pequena cruz. Levava nos dedos anéis com pedras preciosas que brilhavam e iluminavam em toda direção.
A Virgem olhou para Santa Catarina e lhe disse: “O globo que vês representa o mundo inteiro, especialmente a França e cada alma em particular. Estes raios são o símbolo das graças que Eu derramo sobre as pessoas que me pedem. As pérolas que não emitem raios são as graças das almas que não pedem”.
O globo de ouro que a Virgem Maria estava segurando se desvaneceu e seus braços se estenderam abertos, enquanto os raios de luz continuavam caindo sobre o globo branco dos pés.
Nesse momento, formou-se um quadro oval em torno de Nossa Senhora, com as seguintes palavras em letras douradas: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós”.
Então, Maria pediu que Catarina mandasse cunhar a medalha, segundo o que estava vendo.
A aparição girou e no reverso estava a letra “M” encimada por uma cruz que tinha uma barra em sua base, a qual atravessava a letra. Embaixo figurava o coração de Jesus, circuncidado com uma coroa de espinhos, e o coração de Nossa Senhora, transpassado por uma espada. Ao redor havia doze estrelas.
A manifestação voltou a acontecer por volta do final de dezembro de 1830 e princípio de janeiro de 1831.
Em 1832, o Bispo de Paris autorizou a cunhagem da medalha e assim se espalhou pelo mundo inteiro. Inicialmente a medalha era chamada “da Imaculada Conceição”, mas quando a devoção se expandiu e se produziram muitos milagres, foi chamada “Medalha Milagrosa”, como é conhecida até nossos dias.
Para celebrar este dia em que recordamos Nossa Senhora das Graças, confira a seguir a oração para pedir o auxílio da Virgem:
Lembrai-vos, ó puríssima Virgem Maria, do poder ilimitado que vos deu o vosso divino Filho sobre o seu coração adorável. Cheio de confiança na vossa intercessão, venho implorar o vosso auxílio. Tendes em vossas mãos a fonte de todas as graças que brotam do Coração amantíssimo de Jesus Cristo; abri-a em meu favor, concedendo-me a graça que ardentemente vos peço. Não quero ser o único por vós rejeitado; sois minha Mãe, sois a soberana do coração de vosso divino Filho.
Sim, ó virgem santa, não esqueçais as tristezas desta terra; lançai um olhar de vontade aos que estão no sofrimento, aos que não cessam de provar o cálice das amarguras da vida. Tende piedade dos que se amam e que estão separados pela discórdia, pela doença, pelo cárcere, pelo exílio ou pela morte. Tende piedade dos que choram dos que suplicam e dai a todos o conforto, a esperança e a paz! Atendei, pois, à minha humilde súplica e alcançai-me as graças que agora fervorosamente vos peço por intermédio de vossa santa Medalha Milagrosa!
Amém.
Fonte: ACIDIGITAL

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

O que é a graça de Deus?

O que é a graça de Deus?

É sempre bom pensarmos sobre isso. Diz o nosso Catecismo da Igreja Católica número 1999: “A graça de Cristo é dom gratuito que Deus nos faz da sua vida, infundida pelo Espírito Santo na nossa alma para a cura do pecado e a santificar.” A graça de Deus é Sua própria vida, que nos cura, lava e santifica.
Deus quer morar em nós. O Pai, o Filho e o Espírito Santo querem fazer morada em nós. Jesus está no sacrário da nossa paróquia por um motivo, porque Ele quer morar em nosso coração. O sacrário da paróquia é um lugar de passagem para Jesus, porque Ele não quer ficar lá, Ele quer ficar em nós.
Outro número do Catecismo diz: “A graça é uma participação na vida de Deus” (CIC n.1997). Quem está na graça de Deus está em comunhão com Ele. Se você quiser aquilo que vamos experimentar em plenitude no céu, já pode viver e experimentar em seu coração por meio da graça que o Senhor lhe dá.
Na Europa, um dos maiores problemas é que muitos cristãos já não percebem a graça de Deus nos sacramentos. Não sei como está acontecendo aqui no Brasil, mas os sacramentos foram instituídos por Deus para nos encher de Sua graça.
Qual é o maior presente que uma mãe e um pai podem dar para seu filho? A graça de Deus. E como isso acontece? No batismo, no sacramento. O maior presente que você pode dar para seu filho é o próprio Deus, que quer morar no seu coração por meio da graça.

Por que a graça de Deus é tão importante?

Quem viver e morrer na graça de Deus vai para o céu; e quem morrer em pecado mortal vai para o inferno. O inferno é muito pior que o mal.
Existe uma jaculatória que você pode rezar sempre:
“Virgem Santíssima, não permitais que eu viva nem morra em pecado mortal. Em pecado mortal não hei de viver nem morrer, que a Virgem Santíssima me há de valer. Amém!” Simples e muito importante, para não esquecer.
O pecado mortal nos faz perder o maior de todos os bens: o próprio Deus, a vida eterna. Por isso o pecado é o maior dos males. Os santos perceberam isso. A graça de Deus não anula o empenho humano, mas o fortalece e lhe dá uma capacidade de fazer coisas, que pelas suas forças não conseguiria.
Existe uma frase muito bonita de Santa Teresa: “Teresa sem a graça de Deus é uma pobre mulher; com a graça de Deus, uma fortaleza; com a graça de Deus e muito dinheiro, uma potência.” Mais do que Teresa é Jesus, que diz: “Sem mim nada podeis fazer” ( João 15,5 ).
Com a graça de Deus, podemos dizer: “Tudo posso naquele que me fortalece”. Esse é o programa de vida dos filhos de Deus, uma vida na graça do Senhor. Todo resto, que também é importante, é menos importante. Nós queremos, em primeiro lugar, uma vida de comunhão com Deus.
Que o Senhor os abençoe!
Fonte: Canção Nova
Foto: Google imagens

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Era protestante, converteu-se por São João Paulo II e agora é bispo católico

Um dos bispos da França que recentemente foram ordenados é Dom Didier Berthet, que contou como se converteu do calvinismo à Igreja Católica graças a São João Paulo II, depois da sua visita apostólica ao país europeu em 1980. Esta é a sua história.

Em uma entrevista concedida à Conferência Episcopal da França durante a assembleia plenária dos bispos desse país em Lourdes, Dom Berthet indicou que, embora tenha sido batizado e formado na Igreja calvinista, durante sua adolescência frequentou um colégio católico.
Quando chegou à juventude, os pastores calvinistas queriam que se tornasse um deles, mas ele estava em meio a um questionamento sobre o que exatamente era a Igreja.
“Eu era da Igreja francesa de tradição calvinista, mas pouco a pouco havia entrado em contato com a Igreja Católica. Assim, tentava compreendê-la”, comentou.
Durante a visita apostólica de João Paulo II à França em 1980, participou do encontro com os jovens. “Foi uma ocasião de duplo impacto. Vi verdadeiramente o mistério da Igreja e o Papa como sucessor de Pedro. A figura do Papa foi a garantia de uma Igreja que tem origens e de uma Igreja universal”.
A segunda coisa que o impactou “foi a personalidade radiante de João Paulo II, sacerdote, bispo. Ele me impulsionou a entrar na Igreja Católica e tornar-me sacerdote”.
No início dos anos 1980, converteu-se ao catolicismo, aos 20 anos, enquanto estudava no Instituto de Estudos Políticos de Paris: “Em uma celebração, fiz a minha profissão de fé, a minha crisma e fui admitido oficialmente à Eucaristia”.
Foi ordenado sacerdote no dia 27 de junho de 1992, aos 30 anos. O Prelado indicou que ser sacerdote não é o mesmo que ser um pastor. “O sacerdote é chamado a entregar toda a sua vida através do celibato para se consagrar plenamente à sua missão sacerdotal e apostólica”.
Depois de aproximadamente 24 anos de serviço sacerdotal, o Papa Francisco o nomeou Bispo de Saint-Dié no dia 15 de junho e recebeu a ordenação episcopal em 4 de setembro.
O desafio das vocações sacerdotais
O Prelado disse que em sua diocese há “uma pobreza radical de vocações sacerdotais e religiosas”, pois a última ordenação aconteceu há 13 anos. Entretanto, esta realidade não o desanima, mas é um motivo para “suscitar o chamado, retransmiti-lo e comunicá-lo aos jovens. Ninguém imagina de quantos sacerdotes necessitamos”.
“A minha própria experiência – e a dos outros – é que a vida do sacerdote é apaixonante e está cheia de sentido. É um privilégio, se é visto a partir da fé: ser chamado por Jesus e pela Igreja a ser sacerdote, a representar – a torná-lo presente – o que conduz a Igreja e a santifica pelos sacramentos”, expressou o Bispo.
Dom Berther manifestou que seu desejo é que “certo número de jovens possam responder a este chamado com confiança”.
O Bispo de Saint-Dié comentou ainda que nos últimos anos tem acompanhado vários grupos de jovens sacerdotes e que viu neles “homens contentes que, não sem dificuldades, carregam a Cruz que está inserida na vida de cada cristão. Esta é a sua vocação”.
Fonte: ACIDIGITAL

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Hoje é celebrado São Martinho de Tours, padroeiro da Guarda Suíça Pontifícia

Neste dia 11 de novembro, a Igreja recorda a festa litúrgica de São Martinho de Tours, um militar que partilhou sua capa com Cristo, fato que popularizou a palavra “capela” no mundo cristão. É o padroeiro da Guarda Suíça Pontifícia, da França e de Buenos Aires (Argentina).
São Martinho de Tours nasceu na Hungria por volta do ano 316, filho de pais pagãos. Depois de receber o batismo e renunciar a milícia, fundou um mosteiro em Ligugé (França), onde viveu a vida monástica com a direção de Santo Hilário. Mais tarde, recebeu a ordem sacerdotal e foi eleito Bispo de Tours. Morreu em 397.
A tradição indica que em um dia de inverno severo, sendo ele um jovem militar, encontrou-se no caminho com um homem pobre que sofria por estar com pouca roupa. Martinho, por não ter nada que pudesse dar-lhe, dividiu sua capa em duas partes iguais com a espada e lhe deu metade.
À noite, viu em um sonho que tinha presenteado Jesus Cristo com a metade da capa e o Senhor lhe disse: “Martinho, hoje você me cobriu com tua capa”.
A meia capa de São Martinho de Tours foi colocada em uma urna e construíram-lhe um pequeno santuário. Como em latim “meia capa” se diz “capela”, as pessoas costumavam dizer: “Vamos rezar onde está a capela”. Desse modo, o nome “capela” se popularizou e passou a ser usado para designar os pequenos lugares de oração.
São Martinho é padroeiro da França e da Hungria, assim como da cidade de Buenos Aires, onde o Papa Francisco nasceu.
Em relação à capital argentina, conta-se que, ao fundar o lugar, os espanhóis tinham que consagrar a “Cidade da Santíssima Trindade e Porto de Santa Maria de Buenos Aires” a um santo. Por isso, colocaram em um chapéu papéis com propostas de santos. Quando tiraram um papel, saiu São Martinho de Tours. Não satisfeitos, por se tratar de um “santo francês”, repetiram o sorteio duas vezes e voltou a sair o mesmo nome. Finalmente, aceitaram e, dessa maneira, São Martinho de Tours se tornou padroeiro de Buenos Aires.
Fonte: ACIDIGITAL